IMPERDÍVEL!!!

O Itaú Cultural apresenta, até 16 de maio, a mostra Hélio Oiticica – Museu É O Mundo. A exposição é a maior já realizada para homenagear o processo criativo do artista plástico da vanguarda brasileira dos anos 50, 60 e 70. Em 2010, completa-se 30 anos de morte de Oiticica.

Considerado um dos mais importantes artistas brasileiros, Hélio Oiticica, nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. O artista tem entre suas obras mais importantes a “Tropicália”, que inspirou e deu nome ao movimento cultural brasileiro que revolucionou a música, o cinema, o design, a moda e as artes do país nos anos 70, e os Parangolés. Iniciou com pintura, e a partir do início dos anos 60, começou a definir qual seria o seu papel nas artes plásticas brasileiras e a conceituar uma nova forma de trabalhar.

Fazendo uso de maneiras que rompiam com a ideia de contemplação estática da tela, trouxe uma nova proposta da apreciação mais completa da obra, fazendo a junção entre o tato, olfato, audição e do paladar. Entre as novas criações, estão obras como os “Penetráveis”, criados para serem vivenciados (ou penetrados) pelo espectador.

Em 1964, o artista aproximou-se da cultura popular e passou a frequentar a Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, tornando-se passista e integrando-se na comunidade do morro. E daí surgiram os Parangolés.

“Agitação súbita ou alegria inesperada”, esse era o significado de parangolé na gíria dos morros cariocas nos anos 60. Tanto valia para o burburinho de uma roda de samba quanto para o susto de uma batida policial. Para Hélio Oiticica, parangolés eram capas de algodão ou náilon, com poemas em tinta sobre o tecido. Essas obras causaram polêmicas e ele as definia como “antiarte por excelência”.

Quando sozinhas e fechadas, lembravam “as asas murchas de um pássaro”, segundo o poeta Haroldo de Campos, quando vestidas por alguém pareciam com uma “asa-delta para o êxtase”,  também de acordo com o poeta.”  Diz Oiticica: “o objetivo é dar ao público a chance de deixar de ser público espectador, de fora, para participante na atividade criadora”.

Parangolé, portanto, não é uma “obra”, mas o “lugar” no qual essa experiência artística acontece, levando o indivíduo a trocar a percepção artística pela expressão artística.

No dia 22 de março de 1980 o artista morreu após sofrer um acidente vascular cerebral no Rio de Janeiro.

Veja o video e leia mais sobre o assunto aqui, em uma material bárbara escrita por Ricardo Oliveiros

Imperdível, não deixem de ver!

bjkas

Aplaudindo o verão!!!

Essa ação foi no rio, mas aplaudimos da mesma forma aqui em São Paulo ( adoro o verão!!!) e já me deu uma vontade do Guarujá…

Hoje , a “mudança” já foi, as meninas aqui da loja já foram preparar nossa loja Pop Up . Vamos adorar recebe-los por lá, portanto, se estiverem no litoral, não deixem de  os visitar, estaremos no shopping do Hotel Casagrande, vai ser bem fácil nos encontrar rsrsrsrs

bjkas

ps. Genteeeeeeeeeeeeeeee!!!!!

vamos ter toda linha “boutique” das havaianas na loja do guarujá, peças incríveis e diferenciadas pra você arrasar no verão! Mas, como sempre, é melhor correr…as peças são exclusivissimas

bjkas